Sempre fui uma pessoa que partilhei conhecimentos. O saber está aí e não é para ser monopolizado, mas sim partilhado, isso porque ele é fonte de transformação, seja individual seja social.

 

O Prazer em Saber surgiu em 2017 a partir de uma ideia divulgada em uma das palestras do XVI Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana realizado pela Sociedade Brasileira em Sexualidade Humana (Sbrash).

A palestra ministrada pela psicóloga Tatiana Silveira Leite intitulada ‘O posicionamento dos profissionais de saúde frente às novas demandas da sociedade na era digital’ fez com que me questionasse sobre meu posicionamento profissional, principalmente nas mídias sociais, criando, assim, o Prazer em Saber.

Desde que terminei a Pós-Graduação em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo eu realizava trocas sobre atualidades e conhecimentos científicos sobre a sexualidade humana com meus(minhas) colegas de formação, mas o que está palestra da Tatiana Leite fez foi eu me questionar sobre o porquê de restringir esse compartilhamento a um número tão pequenos de profissionais da área da saúde com atuação profissional na sexologia.

Desta forma, com o único objetivo de dividir conhecimento criei uma página no facebook , uma conta no instagram e um podcast no Spotify sobre sexualidade humana, todas elas chamadas Prazer em Saber.

Um dos primeiros objetivos do Prazer em Saber foi o de compartilar informações sobre cursos, capacitações, congressos, formações e pós-graduações em sexualidade, pois é muito difícil no Brasil encontrarmos locais que ofereçam esse tipo de formação e/ou educação continuada. Mas para além disso, outras ideias foram surgindo, sendo transformadas nos objetivos da página, que hoje tem como missão compartilhar distintas informações sobre a sexualidade humana, incluindo indicações de filmes, livros e séries sobre a temática da sexualidade para profissionais da saúde que trabalham com sexualidade ou para a população em geral, que simplesmente deseja saber um pouco mais sobre a sexualidade.

Além disso, a página traz informações sobre aspectos específicos da sexualidade humana, principalmente sobre a função sexual, orgasmo, prazer, afeto, toque, desejo, excitação e relacionamentos, trazendo conhecimento científico sobre a sexualidade, minimizando a propagação de informações não científicas, mitos e inverdades sobre sexo e sexualidade.

Por fim, é muito importante deixar claro que a página é um espaço que objetiva diminuir preconceitos e, por isso, é um espaço que busca a igualdade entre todos(as/es) os seres humanos.